segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Oração de Agradecimento

Muito obrigado Senhor pelo que me deste e pelo que me dás.
Muito obrigado pelo ar, pelo pão, pela paz.
Muito obrigado pela beleza que os meus olhos vêem no altar da natureza.
Olhos que fitam o céu, a terra e o mar.
Que acompanham a ave ligeira que corre fagueira pelo céu de anil
E se deitam na terra verde salpicada de flores.
Muito obrigado porque eu posso ver o meu amor.
Mas diante da minha visão eu detecto os cegos que se debatem na escuridão e
Que andam na multidão em que tropeçam na solidão e a ti, eu imploro comiseração.
Porque eu sei que depois desta lida eles também enxergarão.
Muito obrigado pelos ouvidos meus que foram dados por Deus.
Ouvidos que ouvem o tamborilar da chuva no telheiro
A melodia do vento nos ramos do salgueiro
E as lágrimas que choram os olhos do mundo inteiro.
Ouvidos que ouvem a música do povo que desce do morro na praça a cantar a melodia dos imortais que a gente ouve uma vez e não esquece nunca mais.
Pela minha faculdade de ouvir, pelos surdos eu te quero pedir,
Eu sei que depois desta dor no teu reino de amor eles voltarão a sentir.
Muito obrigado pela minha voz, mas também pela sua voz
Pela voz que ama, que declama, que ensina e que canta.
Pela voz que exalta uma canção e o teu nome profere com sentida emoção.
Diante da minha melodia eu te quero rogar pelos que sofrem de afazia
Os que não cantam de noite, os que não falam de dia. Oro por eles
Eu sei que depois desta prova, na vida nova eles cantarão.
Obrigado pelas minhas mãos, mas também pelas mãos que aram, que semeiam
Mãos que agasalham, mãos de ternura, mãos dos adeuses.
Mãos que arrancam da amargura, mãos que apertam mãos
Mãos de sinfonia, mãos de psicografia, de poesia, de cirurgias.
Mãos que atendem a velhice, a dor e o desamor
Pelas mãos que no seio embalam o corpo de um filho alheio
E pelos pés que me levam a andar sem reclamar.
Muito obrigado por que eu posso caminhar.
Diante do meu corpo perfeito eu te quero louvar
Por que eu vejo na terra: amputados, aleijados, infelizes, marcados, deformados que não podem andar.
Que depois desta expiação na outra encarnação eles também bailarão
Muito obrigado por fim pelo meu lar. É tão importante ter um lar.
Não é importante se é uma mansão ou na favela.
Se é um ninho, uma casa no caminho, um bangalô.
Seja lá o que for, mas é importante que dentro dele exista a figura do amor de mãe ou de pai, de mulher ou de marido, amigo ou de irmão.
A presença de alguém que nos de a mão, porque é muito doloroso viver na solidão.
Mas se eu a ninguém tiver para me acompanhar, nem um teto para me agasalhar,
Nem uma cama para repousar e nem um cão para o lado estar, nem aí reclamarei.
Pelo contrário, te direi muito obrigado Senhor por que eu nasci, por que eu creio em ti,
Pelo teu amor. Muito obrigado Senhor!.
(Texto de Divaldo Pereira Franco)

domingo, 30 de agosto de 2009

“A flor que desabrocha na adversidade é a mais rara e bela de todas”. – Mulan – Desenho da Disney

Quando os nossos objetivos parecem tão longe da realização uma insegurança e um desânimo podem tomar conta do nosso coração. Logo todo o nosso ser fica repleto de medo.
Medo do futuro, medo de não sermos bons o suficiente, medo do sucesso, medo do fracasso, medo de que fomos esquecido pelo Criador e tantos outros que são criados pela nossa fabulosa mente.
Quando percebemos o medo nos dominando, é o melhor momento para darmos uma volta até a estante de livros, ligar para alguém com quem nos sentimos seguros em revelar as trevas que permeiam o coração, assistir a um bom filme, dar uma volta no parque, olhar as flores e quem sabe até os lírios do campo, presentes dos céus.
Nesse momento de descontração algo pode fazer com que tenhamos uma confiança inexplicável em nós mesmos. Conseguimos seguir em frente e de repente vemos nossos projetos sendo realizados. Com o tempo, descobrimos que eles estavam simplesmente aguardando o melhor momento para serem concretizados e que se acontecessem antes não beneficiariam tanta gente e nem a nós mesmos. Saímos de uma experiência como essa mais harmoniosos, , pacientes e com a confiança de que nenhuma folha cai da árvore sem a permissão divina.
Percebemos que nos tornamos mais belos pois nosso coração foi testado e no meio da adversidade conseguimos seguir em frente.

Thatiana Tondato: Consultora de Empresas e Palestrante Motivacional
Site: www.thatianatondato.com.br

“Paz e Luz"


Jornal - Sol Português - Toronto - Canadá - 04/09/09

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

“O desejo de ser querido é um dos anseios humanos mais profundos”. – Tom Connellan - Nos bastidores da Disney

Ser querido é tudo o que as pessoas almejam, por isso quem coordena uma equipe deve desenvolver o hábito de dar um feedback positivo sobre o trabalho executado. Quanto ao feedback negativo nem é necessário estender-me nesse ponto, pois quando vemos algo errado eles saltam aos olhos e dificilmente guardamos para nós o comentário.
Todos temos a necessidade de nos sentirmos úteis e importantes, e esperamos que o reconhecimento venha das pessoas ao nosso redor, tanto da parte profissional como pessoal.
Dificilmente o reconhecimento vem, e quando chega, nem sempre é da forma que gostaríamos de ouvir, pois as pessoas pelas quais aguardamos ansiosamente um elogio estão no mesmo nível de ansiedade na expectativa de serem queridos também.
Por vezes as pessoas estão tão machucadas que não conseguem ver nada além do seu sofrimento, quanto mais elogiar alguém.
Quando fazemos bem feito um trabalho solicitado ou algo para agradar a alguém, criamos uma expectativa de que no mínimo vão nos elogiar, ou fazer algum comentário mais entusiasmado sobre a nossa performance.
Pode ser que o comentário venha ou não e quando não vem... ficamos decepcionados.
O segredo para não nos desanimarmos é agir sem esperar por um agradecimento, elogio ou reconhecimento. Mas somente conseguimos pensar dessa forma quando desenvolvemos nossas atividades seguindo o coração.

Thatiana Tondato – Consultora de Empresas e Palestrante Motivacional
Site: www.thatianatondato.com.br

“Paz e Luz”


Jornal: Sol Português - Toronto - Canadá - 28/08/09

“Tudo o que você puder fazer ou sonhar que pode, comece. A audácia tem gênio, poder e mágica”. - Goethe.

É muito bom sabermos que ao começar a traçar os passos para fazermos o que sonhamos, todas essas características mencionadas por Goethe se unem para nos impulsionar.
Porém, quando perguntam dos nossos sonhos, por vezes finalizamos com alguma frase que desaba tudo o que foi idealizado. Além de pensar ainda dizemos: “há, mas isso é impossível, nunca conseguirei ter o carro dos meus sonhos ou a casa dos meus sonhos, ou qualquer coisa que eu queira realizar, eles custam muito caro”.
Nesse momento podem nos perguntar: “Você sabe quanto custa?” Provavelmente diremos que nem ao menos queremos saber pois essas coisas estão fora do nosso alcance!
Pronto! Acabamos de passar a informação ao cérebro de que os sonhos estão fadados ao fracasso.
Mas não se desespere, sempre há tempo para começar.
O primeiro passo é prestar atenção às palavras por nós utilizadas, elas têm muita força e poder, mesmo que não tenhamos consciência disso. O segundo passo é alterá-las quando nos expressamos. O próximo passo é dimensionar e quantificar o caminho a ser trilhado e qual o valor envolvido para o sonho sair do papel.
Na prática isso significa que ao invés de falarmos sobre a impossibilidade de concretização dos nossos projetos podemos pensar e dizer que há pessoas sempre dispostas a nos ajudar a realizar os nossos sonhos.
É importante ter a noção do todo e saber aonde se quer chegar mesmo que no meio do caminho haja alguns desvios, ao mesmo tempo também é necessário traçar pequenas metas e verificar qual o resultado obtido.
Ao iniciarmos esse processo, todo o Universo estará conspirando a nosso favor. Então, talvez hoje seja o melhor dia para darmos uma espiada na caixa dos nossos sonhos e quem sabe dar-lhes vida!

Thatiana Tondato – Consultora de Empresas e Palestrante Motivacional
Site: www.thatianatondato.com.br

“Paz e Luz”

Jornal: Sol Português - Toronto - Canadá - 21/08/09

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

“Quanto mais força, menos força”. – Anônimo

Ao ler essa frase ela pode parecer meio estranha e até um paradoxo. Porém quanto mais força damos a alguém menos força a pessoa faz e mais acomodada fica. Nem sempre percebemos que ao ajudar e fazer algo por ela tiramos da sua vida a oportunidade de crescimento. E quem sabe quais caminhos seguiria a partir daquele aprendizado?
Não significa abandoná-las à sua própria sorte ou inseguranças.
A maior ajuda a oferecer, muitas vezes, é dizer que confiamos na sua capacidade de arranjar uma saída, podendo contar com o nosso apoio.
Se apenas dermos o peixe, criamos uma dependência. Mas se ensinarmos a pescar poderemos ver uma lenda surgir.
O fato é que muitos de nós necessitamos de alguém que dependa da nossa aprovação, fazendo-nos sentir úteis para depois dizermos: tal pessoa não dá um passo sem me consultar.
Quando tornamos alguém dependente, no seu coração são geradas muitas dúvidas. O resultado é a pessoa não ser capaz de tomar decisões e sua postura perante qualquer assunto que demande uma resposta é permanecer em cima do muro. Criamos então um ser sem vontade própria.
Temos sempre a tendência de proteger quem passa pelos nossos caminhos, ou seja, queremos evitar que cometam os mesmos erros. Na medida do possível devemos mostrar o acontecido e como resolvemos o problema e a pessoa poderá seguir ou não a nossa solução.Por vezes tudo de que necessitamos é acredita em nós, saber que não somos os únicos a errar e que é seguro continuarmos tentando.
Podemos até nos perguntar: “Mas e seu eu cair novamente?”
Acredito que o segredo não é deixar de cair, mas sim levantar rápido caso isso aconteça.
Thatiana Tondato – Consultora de Empresas e Palestrante Motivacional
Site: www.thatianatondato.com.br

“Paz e Luz”


Jornal: Sol Português - Toronto - Canadá - 14/08/09

"Que o sol nascente seja para todos e que o sol poente seja para todos"

Um dia, um amigo muito querido se despediu dizendo: "Que o sol nascente seja para todos e que o sol poente seja para todos. Que o sol nascente traga alegria e amor e o que o sol poente leve toda a tristeza".
Fiquei encantada ao ouvir essas palavras. Sempre que vejo um dia ensolarado lembro-me delas com muito carinho. Gostaria que a vida fosse um eterno sol nascente, repleto de felicidade... mas se o desejo é que o sol poente leve embora os sentimentos que nos aprisionam, então que o sol poente seja bem-vindo.
Por isso não importa o que aconteceu ontem, todos os dias a luz vem iluminar a escuridão trazendo o sol nascente.
Sei que haverá um dia em que o sol poente não terá mais tristezas para levar e então, nesse dia, ele passará a transportar o amor e a amizade por todo o Planeta.
Que o sol nascente e poente estejam sempre presentes nas nossas vidas!
Thatiana Tondato – Consultora Empresarial e Palestrante Motivacional
Site: www.thatianatondato.com.br
Paz e Luz

Jornal: Sol Português - Toronto - Canadá - 07/08/09