sexta-feira, 23 de outubro de 2009

“ Quando sentimos algum desconforto podemos nos perguntar:

- O que eu fiz?
- O que eu não fiz?
- O que eu poderia ter feito?”

Pode ser que ao seguir essas instruções o desconforto não desapareça no mesmo instante, ou talvez isso aconteça.
O importante é saber que ao analisarmos as nossas sensações podemos alterá-las através de um pensamento, caso o queiramos realmente.
Por não termos muitas vezes a noção de que os pensamentos influenciam diretamente em nosso estado de espírito, não achamos ser um mero pensamento menos elevado origem de tamanho desconforto em nós.
O fato é: tendemos a pensar, repensar e remoer alguma idéia ou algo que nos fizeram e de que não gostamos. Algumas pessoas ficam até obcecadas por uma única idéia. Comem, dormem e trabalham com a mente fixada em um objetivo degradante.
E quando finalmente descobrimos ser nós mesmos os criadores das nossas angústias, por vezes fica difícil saber qual pensamento as originou, simplesmente por não imaginarmos ser uma pequenina idéia negativa a causa de tantos estragos.
Por isso ao nos fazermos as perguntas acima, o importante é não se auto menosprezar ao descobrir a origem das dores físicas e desconfortos.
Nesse momento necessitamos amarmo-nos muito para termos a coragem de nos enxergar como somos, trazer o poder de volta às nossas mãos e agirmos com mais consciência.
Mãos à obra.

Thatiana Tondato - Consultora Empresarial e Palestrante Motivacional
Site: www.thatianatondato.com.br

“Paz e Luz”


Jornal: Sol Português - Toronto - Canadá - 23/10/2009

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

“Meu Planeta Terra”

Observando as notícias sobre tufões, terremotos e tsunamis – imagino se essas são formas da Natureza de “colocar a casa em ordem”.
O que pode ser feito para ajudarmos esse Planeta com tantas belezas naturais, que nos acolhe e propicia colocarmos em prática ensinamentos tão valiosos e universais quanto “amai-vos uns aos outros”?
Para ser encontrado o equilíbrio muitas mudanças devem acontecer ainda e isso é muito parecido com o que se dá em nossas vidas.
Às vezes nos saturamos de ser infelizes, por isso necessitamos buscar forças afim de causar mudanças e até mesmos sermos notados. É como se fosse um grito da nossa alma dizendo: “pare já com isso, você está me machucando”.

Chacoalhamos o nosso mundo, fazemos uma seleção do que é bom ou não, sacudimos a poeira e seguimos em frente mais leves e equilibrados.
Porém no meio desse processo como ficamos? Por vezes desesperados, apavorados e receosos mas há um ponto do caminho onde não há como voltar. Nesse momento é o ideal para irmos além das formas, confiarmos em nós e sentirmos que somos sempre divinamente protegidos e guiados.
A Terra está passando pelo mesmo processo, de encontrar o seu equilíbrio e quanto mais nós estivermos equilibrados mais conseguiremos participar positivamente dessa transformação.
Uma vez li: “ Se nossas mentes estivessem equilibradas não necessitaríamos plantar árvores, pois nem chegaríamos a destruí-las.”
Pense nisso.

“Paz e Luz”

Jornal - Gazeta Lusófona - Lucerna - Suiça - Dez/2009
Jornal - Sol Português - Toronto - Canadá - 16/10/2009

domingo, 11 de outubro de 2009

“Quem quer mais luz, primeiro tem que ser luz”. – Anônimo

Ser luz é deixar a nossa essência divina se manifestar. Ser luz é um trabalho constante de aprimoramento e reforma íntima que somente os mais corajosos conseguem. É permitir que as fagulhas iluminadas inerentes a todos nós possam tornar-se visíveis através dos nossos pensamentos, palavras e ações.
Quanto mais deixarmos a nossa essência agir, mais atrairemos pessoas e situações em sintonia conosco.
Para melhor compreensão, gostaria de comparar a nossa vida com um vidro opaco e outro transparente:
Quando o vidro é opaco não conseguimos ver através dele pois a luz não o ultrapassa. Com as adversidades da vida ficamos “opacos” pois criamos diversas maneiras de nos proteger, de nos sentir em segurança e por vezes necessitar fingir para sermos aceitos ou assumirmos uma postura esperada pelos outros.
Camuflamos assim o que realmente somos e isso tem um preço a ser pago, normalmente é a saúde, à medida que investimos muito tempo para as nossas defesas. E assim a luz também não consegue nos ultrapassar.
Ao deixarmos a essência vir à tona, nos tornamos como o vidro transparente onde a luz consegue nos atingir e a nossa encontra caminhos afim de sair de nós e ir para o Universo.
Não quer dizer que diremos tudo o que vem à cabeça, que não pensaremos em nossas ações, nem analisaremos as ações passadas ou magoaremos os outros. O que acontece é exatamente o oposto, ao não necessitarmos mais fingir ou manter uma postura, preservamos a saúde física, mental e emocional, nos aceitando como somos e conseqüentemente passamos a ver o ser humano como ele é e tratá-lo bem.
Quando nos conscientizarmos de que estamos em constante transformação e mesmo assim continuamos perfeitos...quem poderá impedir-nos de realizarmos vôos sublimes?

“Paz e Luz”


Jornal - Sol Português - 09/10/09

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

“Não há melhor lugar que a nossa casa” Filme - O Mágico de Oz

Quando era adolescente morei com minha família em Portugal. Gostei muito de lá viver, e quando as oportunidades da vida nos trouxeram novamente ao Brasil, senti-me um pouco perdida sem saber exatamente qual país era o meu lar. Nessa altura o meu coração também era luso, devido a pessoas incríveis que conheci e me acolheram.
Muitos anos se passaram e de vez em quando voltava essa sensação de não estar no meu devido lugar. Quando moramos em várias casas e não criamos uma conexão com o lugar, podemos ter a sensação de não pertencer a lugar algum. Apesar de morar 17 anos no Brasil, sendo 7 na mesma casa por vezes não me sentia como tal.
Recentemente resolvi mudar isso. Sentei-me, relaxei e me imaginei percorrendo as casas e lugares onde morei e deixei a intuição me guiar. Fiquei surpresa com a quantidade de felicidade eu tive em cada casa e talvez a “vontade de viver novamente esses momentos” não me deixara viver totalmente o presente. Visualizei-me no final saindo desse lugar, deixando um pouco de luz e me direcionando finalmente para o meu lar com o coração leve e a mente tranqüila.
Tive vontade de fazer algumas mudanças na casa, colocar mais cor em alguns lugares e organizar melhor outros. Permiti-me olhar com carinho os objetos e alguns eu mantive, outros consegui colocar na caixa de doação. Em um outro dia imaginei-me criando raízes na casa e decretei que esse é o meu país e o meu lar. Isso não significa que nunca mais mudarei ou até mesmo de cidade, mas me deu a certeza de que onde eu estiver, o meu lar estará comigo.
Parecem simples essas visualizações mas são muito poderosas. Afinal cada um carrega no seu coração o meio em que vive. Aquele que nada encontrou de bom nos lugares por onde passou, não poderá encontrar outra coisa aonde quer que vá.
Cada um encontra na vida exatamente aquilo que traz dentro de si mesmo.
Sei o quanto é difícil não compararmos o lugar onde estamos com o lugar de onde viemos. Mas é possível amar e aceitar a nova cidade por que ela é única com sua cultura e seus habitantes. E se quisermos podemos fazer dessa cidade e da casa onde moramos o nosso novo lar.

Thatiana Tondato – Consultora Empresarial e Palestrante Motivacional
Site: www.thatianatondato.com.br

“ Paz e Luz”
Jornal - Gazeta Lusófona - Lucerna - Suiça - Nov/2009
Jornal - Sol Português - Toronto - Canadá - 02/10/09