segunda-feira, 9 de agosto de 2010

“O oponente mais poderoso está dentro de nós mesmos.”

O karate-do entrou na minha vida quando eu tinha 15 anos. Nessa época eu morava em Portugal e adorava sair com as minhas amigas. Meu pai não gostava muito dessa idéia de chegar sempre tarde em casa , a segurança da família sempre foi sua prioridade. Por isso um dia ele me disse: ou você faz um esporte de defesa pessoal ou não vai mais sair à noite. Um pouco contrariada saí à procura de um local... qualquer lugar onde eu pudesse fazer algumas aulas e me livrar logo disso para poder fazer o que eu queria.
Como eu estava enganada...
Descobri na cidade um lugar que ensinava Boxe e outro Karate-do. Não me interessei pelo boxe e por fim a vida me levou ao Karate-do.
No primeiro dia assisti a uma aula, conversei com o professor e quando perguntei qual sapato deveria utilizar, ele me respondeu: karate se pratica descalço!
Nesse momento tive a minha primeira lição: fiquei quase uma hora assistindo, mas eu não estava realmente lá, senão teria percebido que as pessoas não usavam sapatos!
Essa é uma das causas do estresse: inconformidade entre a mente e o corpo, ou seja, quando a mente quer uma coisa e o corpo outra.
Comecei as aulas e o que inicialmente era uma obrigação, acabou tornando-se uma paixão.
Paixão pela filosofia, pelo respeito ao próximo, pela disciplina. Conhecer os próprios limites e decidir que eles não podem te limitar quando se decide ultrapassá-los.
Com o tempo a autoconfiança era visível e o mais interessante é que isso passou a permear todas as áreas da minha vida.
Como Palestrante Motivacional e Consultora na área de reestruturação de empresas e seus donos, o meu trabalho é mostrar caminhos. As pessoas somente farão mudanças quando assim o quiserem, mas também se tiverem exemplos de sucesso e para isso a confiança em quem lidera é essencial.
“O caminho das mãos vazias”, como é conhecido o Karate-do mostrou-me que por vezes teremos de utilizar todo o nosso conhecimento, experiência e intuição não apenas para guiar o trajeto, mas muitas vezes será necessário criar caminhos nunca antes utilizados para resolver situações que aparentemente parecem insolucionáveis.
O karate e a vida para mim são muito parecidos, podemos escolher fazer desse dia o melhor dia das nossas vidas ou ficar emperrados e aborrecidos porque é necessário seguir em novas direções.
Aprendi que nem sempre a vida nos dará aquilo que queremos, mas com certeza aquilo que necessitamos.

"Paz e Luz”

Thatiana Tondato – Consultora Empresarial e Palestrante Motivacional
Site: www.thatianatondato.com.br

Ouça o programa "Wake Up" com Thatiana Tondato toda segunda-feira as 18:00 pelo site www.radioliceu.com.br

Jornal - Sol Português - Toronto - Canadá - 06/08/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário